Economy and Society II de José Porfiro – Specific

12 de março de 2007

AQUECIMENTO GLOBAL – STERN

Filed under: Meio Ambiente — Porfiro @ 12:04 PM
 
 
Climate Change and its Implications: Which Way Now? – by Praveen Jha
January 28, 2008   –  The impact of climate change on the world of today and the future is undeniable. Stipulated emission reduction targets for developed countries are still too modest under the Kyoto Protocol and the US, the world’s largest polluter remains outside the agreement. The scientific community warns that a global coordinated response with participation of the major emitters and rapidly growing economies of China and India is the only way forward to avoid the worse predicted effects of global warming. This paper reviews the debates and attempts to trace the path to the future.
 
24jan2008 – DER SPIEGEL – Cresce a crítica aos biocombustíveis
 
 
CARTA MAIOR – ANÁLSIE – 07jan2008
Um ano decisivo para o meio ambiente. Dois eventos no primeiro trimestre já nos mostrarão a verdadeira disposição dos líderes mundiais em tornar viável e factível um acordo climático que possa dar seqüência ao Protocolo de Quioto, que expira em 2012.
 
José Eli da Veiga: Ambientalismo, entre crença e ciência (Folha de São Paulo, 06jan2008)
 
Brasil, Índia e China devem adotar metas de redução de gases de efeito estufa? (Folha, 08dez2007)
José Eli da Veiga: A responsabilidade é com o futuro SIM
Luiz Pinguelli Rosa: A conferência do clima em Bali e o Brasil Não
LE MONDE – 11DEZ2007
LE MONDE DIPLOMATIQUE – DEZ2007
Por que são pífios, até agora, os resultados do combate ao aquecimento global. Qual a concepção ideológica que limita as ações contra os poluidores. Que concessões os EUA reivindicam em Bali. Como adotar, em Bali, medidas criativas capazes de enfrentar o risco de catástrofe climática Aurélien Bernier (explicação do MDL)
 
Mecanismo de Kyoto é ineficaz contra CO2 (MDL) – folha 19dez2007  + convenção sobre clima
 
 
Rubens Ricupero: Mão de gato (Folha, 09dez2007)
 
DER SPIEGEL
 
Aquecimento Global – George Monbiot, THE GUARDIAN  – Mentira Global (O Estadão, 06-05-2007)
MARGARET BECKETT é ministra das Relações Exteriores do Reino Unido: Alarme para a maior ameaça à segurança global (29-04-2007)
Por que as florestas importam (Prospect Magazine, 12-04-2007)
A era dos refugiados do clima? (Der Spiegel, 10-04-2007)

Para Marina Silva, desafio climático não é ignorado (07-04-2007)

Savanização da Amazônia pode causar impacto no clima do País (08-04-2007, Estadão, + três itens privativos)

‘Governos não querem que divulguemos a informação’ – entrevista com Osvaldo Canziani – (08-04-2007, Estadão)

Relatório prevê crise de água e alimento (06-04-2007)

Conclusão de texto envolve debate intenso (06-04-2007)

No dia 6 de abril, o grupo de acompanhamento de mudanças climáticas que a Organização das Nações Unidas (ONU) reuniu no International Panel on Climate Change (IPCC) lançou mais um relatório, desta vez sobre as vulnerabilidades do planeta. Infelizmente, só saiu em inglês.

Climate Change Impacts, Adaptation and Vulnerability

China diz que Estados Unidos e Europa são maiores obstáculos a acordo de comércio global (Financial Times, 13-03-2007)

Consequências Econômicas das Mudanças Climáticas
Carlos Eduardo Frickmann Young e Priscila Geha Steffen
Luiz Pinguelli Rosa: O clima da Terra e a redução das incertezas (16-02-2007)
Como evitar a catástrofe climática
Falta incluir, no debate sobre o aquecimento da Terra, um dado essencial. As energias limpas já são uma alternativa viável. A humanidade só permanece refém dos combustíveis fósseis e nucleares porque a mudança de paradigma ameaça os interesses de mega-corporações. Hermann Scheer (Le Monde Diplomatique, fev 2007)
Guia geral para o comércio de carbono (Prospect Magazine, 08-02-2007)
Comunidade internacional aborda aquecimento global com lentidão (International Herald Tribune, 08-02-2007)
Relatório IPCC, pdf.
Relatório Stern. (A Gazeta, 21 ou 28 jan 2007)
‘O mundo está ficando ainda mais perigoso’ (04-02-2007, O Estado de São Paulo)
Koïchiro Matsuura: Façamos as pazes com a Terra (04-02-2007)
Vinicius Torres Freire: Ai, que calo-ô-ô-ô-ô-ô-or…  (04-02-07)
Marcelo Leite A culpa é nossa (03-02-2007)
ONG tentou subornar cientista para questionar IPCC, diz jornal (03-02-07)

Clóvis Rossi: O relatório do apocalipse (FSP, 27-12-2006)
Para crescer, o Brasil precisa mudar a legislação ambiental?
José Eli da Veiga: Da ingenuidade à covardia (Não – FSP, 09-12-2006)
Alacir Borges e Silvia Maria Calou: Utilidade pública e relevância estratégica (Sim – FSP, 09-12-2006)
Amazônia queimando (The Boston Globe, 28-11-2006)
Mudança climática (Prospect Magazine, 24-11-2006)
Entrevista da 2ª/Achim Steiner: Mundo perdeu dez anos ao ignorar mudança do clima (FSP, 06-11-06)
A conta do aquecimento do planeta (Der Spiegel, 01-11-06)

 

  1. SPECIAL REPORT: Business and climate change

    Fairfield v the valley 

    Two competing models for the clean-energy businessMay 31st 2007

  2. SPECIAL REPORT: Business and climate change

    Sources 

    “Decoupling Mechanisms: Energy Efficiency Policy Impacts and Regulatory Implementation”, Athena Besa, Bill Miller and Tory Weber, American Council for an Energy-Efficient Economy, 2006.Jun 1st 2007

  3. SPECIAL REPORT: Business and climate change

    Dirty king coal 

    Scrubbing carbon from coal-fired power stations is possible but priceyMay 31st 2007

  4. SPECIAL REPORT: Business and climate change

    Boom 

    As security and climate concerns rise, nuclear power may be coming backMay 31st 2007

Mata pode não estar sumindo, diz inglês – folha 08jan2008

Frase

Inpe vai mapear recuperação de floresta pós-corte na Amazônia

Para jornal, Marina poderia salvar o mundo – folha, 08jan2008 

Al Gore: "A crise climática ameaça o próprio futuro da civilização" (Le Monde, 14-10-06).

As contas do planeta: alerta para o consumo insustentável (La Vanguardia, 12-10-06).

Entrevista com Al Gore: "Já estou envolvido em uma campanha" (Der Spiegel, 22-07-2006)

Nelson Ascher: A política do aquecimento global (Folha de São Paulo, 12-03-2007)

Relatório IPCC, pdf. Estes está noutro local, tb.

http://jporfiro.blog.uol.com.br/arch2007-12-01_2007-12-31.html#2007_12-06_18_30_07-5665651-0

Aquecimento global Europa assina acordo para ter 20% de energia renovável em 2020 (09-03-2007)

Nações da UE estão em desacordo quanto às políticas para conter o aquecimento global (Intern. Herald Tribune, 09-03-2007)

Carlos Walter Porto-Gonçalves: Consenso do clima, uma outra perspectiva (09-03-2007) 

China tenta conter a degradação ambiental e busca desenvolvimento sustentável (El Pais, 06-03-2007)

Oswaldo Oliva Neto: Clima: dilemas e oportunidades para o Brasil (FSP, 23-02-2007)

Entrevista da 2ª- Achim Steiner: Brasil é pouco pró-ativo, afirma chefe do Pnuma (05-03-2007)

União Européia quer reduzir em 30% a emissão dos gases causadores do efeito estufa (International Herald Tribune, 22-02-2007)

Uma Europa dividida quanto às políticas climáticas (21-02-2007, dER sPIEGEL)

 

YOSHIAKI NAKANO (FSP, 2503-2007)

Maldição da abundância de recursos

PAÍSES RICOS em recursos naturais são vítimas de uma maldição? Numa série de trabalhos publicados entre 1995 e 2001, Sachs e Warner encontram evidências empíricas de que países ricos em recursos naturais, nos quais estes têm significativa participação nas exportações, têm desempenho, em termos de crescimento, pior do que países pobres em recursos naturais. Entre os países citados como ricos em recursos naturais e com desempenho econômico ruim, estão Congo, Nigéria, Venezuela, Bolívia, Serra Leoa etc. São citados como países pobres em recursos naturais, mas com bom desempenho econômico, o Japão e os Tigres Asiáticos.
E o Brasil, que é um país rico em recursos naturais, sofre dessa maldição? Com o rápido crescimento da China e da Índia, sua integração à economia global e a crescente demanda de petróleo, das commodities agrícolas e dos minérios, seus preços tiveram forte elevação e poderão persistir por muitos anos. Com a crescente demanda de energia limpa, por todos os países, a questão da maldição dos recursos naturais passou a merecer maior atenção dos estudiosos do crescimento econômico. Sachs e Warner previam que países com exportações dependentes de recursos naturais tendem a ter a taxa de câmbio apreciada, o que prejudica tanto o setor exportador não dependente de recursos naturais como a produção doméstica, que sofre a concorrência das importações com preços artificialmente baixos, afetando o crescimento e a geração de empregos.
Em estudo mais recente, Rabah Arezki e Frederick van der Ploeg ("Can Natural Resource Curse Be Turned Into a Blessing? The Role of Trade Policies and Institutions", IMF Working Paper 07/75, March 2007), em detalhado e meticuloso trabalho, apresentam novas evidências, mostrando que a dependência de recursos naturais tem efeito direto, negativo e significativo sobre o crescimento econômico. Além disso, a maldição de recursos tem efeitos indiretos sobre as instituições (efeitos voracidade e rapinagem, riscos de expropriação, corrupção, guerras, tolerância a políticas econômicas ruins, expansão do Estado clientelista e assistencialista etc.). Os efeitos negativos da abundância de recursos naturais são ampliados em economias mais fechadas. Apesar de instituições, maior abertura econômica e melhores políticas comerciais serem capazes de reduzir os efeitos negativos da abundância de recursos naturais, os autores não encontram evidências de que elas são capazes de revertê-los e convertê-los em benção.
Diante dessas evidências empíricas, o mau desempenho da economia brasileira ao longo das últimas duas décadas torna-se ainda mais preocupante. Não só a persistente apreciação da taxa real de câmbio mas também a dependência de recursos naturais nas nossas exportações, a desindustrialização precoce, acentuada ainda mais com a revisão do cálculo do PIB feita pelo IBGE, a crescente redução no valor adicionado da indústria nacional e a expansão, persistente, do consumo do governo, são sintomas preocupantes. Será que somos também vítimas da maldição da abundância de recursos naturais?


YOSHIAKI NAKANO , 62, diretor da Escola de Economia de São Paulo da FGV (Fundação Getulio Vargas), foi secretário da Fazenda do Estado de São Paulo no governo Mario Covas (1995-2001).

====================================

Achieving low-carbon growth for the world – Sir Nicholas Stern on the key elements of a global deal on climate change

Page contents > Press Cuttings

Targets and trading must be at the heart of a global agreement to reduce greenhouse gas emissions, according to Sir Nicholas Stern, IG Patel Chair in Government and Economics at LSE, who will be delivering the Royal Economic Society’s annual public lecture ahead of next week’s world summit on climate change in Bali.

The problem of climate change involves a fundamental failure of markets: those who damage others by emitting greenhouse gases generally do not pay. Climate change is a result of the greatest market failure the world has seen. The evidence on the seriousness of the risks from inaction or delayed action is now overwhelming. We risk damages on a scale larger than the two world wars of the last century. The problem is global and the response must be a collaboration on a global scale.

cont……………………

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: