Economy and Society II de José Porfiro – Specific

5 de junho de 2008

CRISE ALIMENTOS (FALTA e PREÇOS) – IV

Filed under: Sem categoria — Porfiro @ 10:22 AM
 
 
===============================================
=================================================
12/06/2008
Rixas entre a agricultura orgânica e industrializada não vão alimentar o mundo


John Gapper

Antigas disputas muitas vezes se acalmam por um tempo, mas basta um incidente para fazê-las se acender de novo. É o que ocorre com a discussão entre expoentes da agricultura orgânica e os que preferem a agricultura industrializada, de alta tecnologia.

A última provocação é a crise de alimentos global, que fez os preços de produtos como milho e arroz aumentarem acentuadamente: os consumidores dos países desenvolvidos sentiram a pressão nos supermercados e milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento enfrentam a fome.

O rápido aumento da demanda por alimentos é a principal causa da espiral de preços. Os biocombustíveis começaram a competir com a indústria alimentar por recursos como cana-de-açúcar e milho e, na China e na Ásia, está surgindo uma classe média emergente que quer carne de animais alimentados com cereais.

O consenso é que o mundo deve reforçar a produção agrícola para suprir a demanda maior. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu na semana passada em uma reunião da organização em Roma um aumento de 50% na produção global de alimentos até 2030.

Aí termina o consenso. Esta semana a empresa de sementes americanas Monsanto, que se tornou a besta-fera dos ambientalistas europeus na década de 1990 ao promover as sementes geneticamente modificadas (GM), fez sugestões para superar a lacuna de produção. Ela quer que países como Brasil e México aumentem suas produções com métodos de alta intensidade.

A visão da Monsanto -e dos EUA- é que a agricultura no estilo americano deve se espalhar pela América Latina e a Ásia (mesmo que a África continue sendo um caso especial). Os agricultores desses lugares devem usar as sementes híbridas de alto rendimento compradas da Monsanto ou de concorrentes como a Syngenta, alimentá-las com fertilizantes e água, protegê-las com produtos químicos e extrair mais de suas terras.

A Monsanto prefere que os agricultores comprem sementes geneticamente modificadas mais caras, que resistem a insetos e exigem menos substâncias químicas. Mas até a abordagem européia -a proibição das sementes GM com adoção de outras práticas agrícolas de alta intensidade- já ajudaria, ela afirma.

"Nós somos uma parte da solução. As sementes são o ponto de partida", diz o escocês Hugh Grant, executivo-chefe da Monsanto, que está tentando reabilitar sua imagem global. Grant prometeu desenvolver sementes que duplicarão as produções de milho, soja e algodão até 2030 e exigem 30% menos água e outros insumos para crescer.

A Monsanto conquistou alguns amigos entre organizações não-governamentais, mas ainda tem muitos críticos. A Greenpeace e a Friends of the Earth dizem que "o velho paradigma da agricultura industrial, com alto uso de energia e tóxicos é um conceito do passado". Elas vêem mais esperança na agricultura de pequenos agricultores usando sementes tradicionais e menos água e substâncias químicas.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
Visite o site do Financial Times

================================================
===============================================
Oxfam Press Release03 June 2008

Oxfam calls for radical change of approach to address food price crisis

leaders must urgently agree a coordinated global action plan to address the food price crisis, said international agency Oxfam today in a report published ahead of an emergency UN Food Summit in Rome. The plan must include short and long-term responses and go beyond humanitarian aid.

Read the report: The Time is Now: how world leaders should respond to the food price crisis

“In countries where Oxfam works, we are seeing the negative impact of higher food prices on poor people, who already spend more than half their income on food,” said CEO of Oxfam GB, Barbara Stocking. “This is a huge challenge to the leadership and legitimacy of the world’s multilateral institutions, but also a genuine opportunity for long-overdue reforms.”

Oxfam estimates that an extra $14.5bn is needed to scale up immediate assistance to at least 290 million people threatened by rising food prices. This amount is small when contrasted with the more than $1 trillion the US Federal Reserve and European Central Bank have injected into the financial system in the past six months to try to avert economic crisis.

Similarly, annual aid to agriculture, which currently stands at $4bn, is pittance compared to the $125bn that rich countries gave their farmers in 2006. Lack of investment is acknowledged as a cause of food insecurity, and yet aid to agriculture halved between 1980 and 2005. Increased support is essential to address chronic rural poverty and low yields, and help smallholders benefit from higher prices.

Oxfam’s report says that the response must go beyond top down humanitarian aid. Governments in poor countries should be supported to implement social protection schemes to help the poorest, such as minimum income guarantees, free seeds and fertilizers for poor farmers, and reduced VAT on food.

Longer-term, political changes are also needed. A priority is the urgent review of compulsory biofuels targets in rich countries to stop their inflationary impact. Recent estimates suggest that increased demand for biofuels accounts for 30 per cent of recent food price rises, while mounting scientific evidence shows biofuels are having an overall negative impact on climate change. 

The crisis should also spur reform of the food aid system, with more aid being given as cash or purchased locally, rather than shipped from overseas. The OECD has estimated that an extra $750m a year could be released if rich countries gave food aid as cash rather than in kind.

Completing a global free trade deal along current lines would not help the situation. Developing countries need to be able to respond to shocks, but existing proposals at the WTO would instead lock in liberalisation, removing flexibility and further exposing poor countries to market volatility. Stocking: “An unprecedented level of coordination is required across agencies, governments and the private sector to address this crisis. The vast amount of money spent on averting the financial crisis shows what is possible when there is political will. The cost of failure will not just be measured in lost lives and human suffering, but also in lost credibility.”

Contact

For more information contact:
In Rome: Alexander Woollcombe on +32 473562260, alexander.woollcombe@oxfaminternational.org In the UK: Amy Barry or Tricia O’Rourke on +44 (0) 1865 472498
Notes to Editors
• Oxfam will have a team of experts in Rome available for interviews, including CEO Barbara Stocking. A photo stunt will be staged on 2 June outside the FAO. Contact: Alexander Woollcombe

*The 290m people estimated to be at risk are the poorest people in the 53 most affected countries – the 49 Least Developed Countries, and Tajikistan, Zimbabwe, Occupied Palestinian Territories and Kenya. The figure of $14.5bn is based on these people requiring an average of $50 per capita in 2008. The $50 required is an estimate based on Oxfam’s experience and studies around the world of what people need to so they have enough to eat.

=================================================
=================================================
Hindering the hungry
Rich nations may not have caused the food crisis, but their policies add to the suffering of the poor and starving

Strange things are happening in Rome. The head of the World Bank Robert Zoellick is here talking about the importance of helping small farmers in developing countries (forgetting to mention that his organisation has helped to put a lot of them out of business over the last 20 years) and the world’s leaders and media are suddenly fascinated by the UN Food and Agriculture Organisation (FAO).

It’s impossible to get a seat in the press room. Frustrated people tap grumpily on BlackBerrys while overwhelmed FAO staff attempt to fix the only photocopier. The last time they had a summit like this no one noticed or cared. This time the eyes of the world are on those gathered across the road from the ruins of ancient Rome.

There’s a food crisis and everybody’s trying to figure out what to do about it.

NGOs like Oxfam, along with international organisations like the FAO, have been talking about the importance of agriculture for development, fair trade and agriculture policies for years but few paid much attention. It doesn’t feel good to say "I told you so", but it’s a relief that at last people seem to be listening.

It makes me angry though. This didn’t need to happen. Rich countries spent $372bn in 2006 alone to support their agriculture. The EU’s common agricultural policy (Cap) and the US farm bill have contributed to the situation we’re in. If we in rich countries subsidise then dump our food on developing countries while forcing them to open their markets it’s always going to end in tears.

Haiti used to produce most of the rice that its population ate. Then, in 1995, the World Bank and IMF made it open its markets to cheap imports and the country was flooded with cheap rice from the US. Now it import 80% of its rice. When prices rocket, as they’re doing now, and poor people spend 50-80% of their income on food, it doesn’t take a genius to work out what will happen.

Haiti has seen some of the worst food riots in recent months. More than half the population is malnourished while an estimated 830,000 jobs have been lost in recent years, primarily in agriculture.

Haiti’s problems were not caused by bad international trade or agriculture policies, but they have made them worse. If leaders such as Sarkozy, Fukuda, Zapatero and Berlusconi, as well as the US agriculture secretary Ed Shafer and UK international development secretary Douglas Alexander, who have all made speeches here today, are serious about helping developing countries, they must realise that business as usual or vague promises of new money that never comes won’t be not enough.

It’s a complex problem and some of the causes are difficult for politicians to address. More people in China and India can now afford yoghurt and chicken so these goods cost more. Not much we can do about that. Other problems we can change.

Rich countries could get rid of biofuels policies which everyone apart from them and their farm lobbies realise are contributing to food price rises. Subsidies for biofuels worth $11-12bn in 2006 were used to divert 100m tonnes of cereals from human consumption according to FAO officials. The EU says biofuels will help tackle climate change — erratic weather being another important factor in the food crisis — but their own research department admitted in a secret report that most biofuels actually produce more carbon than they save. Rich governments need to spend their money better.

Aid is not the whole answer, but it is an important part of it. A third of maize in Ethiopia rots where it grows because there aren’t the roads or infrastructure to get it to market. The world is growing enough food to feed itself but poor people can’t afford it nor can they get what they grow to where it needs to be. At the moment high food prices are hurting poor people but if the world really wanted to it could help them benefit from higher prices. It’s not a coincidence that Africa’s producing less of it’s own food when aid to agriculture has halved since 1980. Even though anyone who has ever been to a developing country would tell you most poor people are farmers, policymakers seem to have forgotten this.

I’ll never forget an EU Trade official explaining to me that the EU’s proposed free trade deals with many of the world’s poorest countries (known as economic partnership agreements) would allow accountants from Burkina Faso to work in Mali. "Aren’t there more farmers than accountants in Burkina Faso?" I asked him. "Yes," he answered, "but we don’t have a common accountancy policy". Privately he said he agreed with me but that the EU wouldn’t give up the Cap come hell or high water.

This week in Rome we’re not quite in hell yet, though high water might not far away as the summer rain soaks everyone queuing to get in. "The international community only reacts when the media beam the distressing spectacle of world suffering into the homes of the wealthy countries", said the head of the FAO, Jacques Diouf, yesterday morning.

It’s on your computer, radio and TV screens right now. The FAO estimates we need $30bn a year to enable 862 million hungry people to enjoy the most fundamental of human rights: the right to food and thus the right to life. The US Federal Reserve and European Central Bank have injected more than $1tn into the financial system in the past 6 months to try to avert economic crisis. Speculators have a lot to answer for. When banks take on dodgy mortgages and ask for help, governments respond instantly. When millions of people are needlessly suffering through no fault of their own, too often promises are made and forgotten about. They deserve more. So we wait in Rome to find out if the action we need will come. If not now, when?

We are reaping the whirlwind of past mistakes. It’s going to take more money and humanitarian aid for those suffering now as well as longer-term support, but it’s also going to need a fresh look at trade and agriculture policies that have contributed to the current mess.

This isn’t a natural disaster, it was depressingly predictable and we need to make sure it doesn’t happen again. The cost of failure is too high.

=================================================
===================================================

Quinta-feira, Agosto 23, 2007

"Agflação" / "Agflation"

"Agflação" é a nova entrada para o jargão da economia. Trata-se da inflação dos preços de bens agrícolas. Há gerações que não se viam aumentos de preços desta magnitude nos mercados internacionais.
O preço dos cereais, lacticínios (o leite aumentou quase 60% nos mercados internacionais no último ano), carne, etc., têm registado aumentos significativos (aumentos percentuais de dois dígitos), segundo noticia o "The Independent", com o título "The fight for the world’s food":
«[…]for the first time in generations agricultural commodity prices are surging with what analysts warn will be unpredictable consequences.»
«Rice prices are climbing worldwide. Butter prices in Europe have spiked by 40 per cent in the past year. Wheat futures are trading at their highest level for a decade. Global soybean prices have risen by a half. Pork prices in China are up 20 per cent on last year and the food price index in India was up by 11 per cent year on year . In Mexico there have been riots in response to a 60 per cent rise in the cost of tortillas.»
Podemos estar a sair da era da alimentação barata, à semelhança do fim da era do combustível barato. Aliás, existe uma relação entre os dois fenómenos. Parte deste aumento nos preços dos bens alimentares está relacionado com a explosão da procura por biocombustíveis, nomeadamente os produzidos a partir do milho, conflituando assim com a sua utilização na produção de alimentos. A maior parte do milho é utilizado como ração para animais de modo que os preços do leite, ovos, manteiga, queijo, carne, gelados, etc. são influenciados pelo preço do milho.
«While relatively little corn is eaten directly it is of pivotal importance to the food economy as so much of it is consumed indirectly. The milk, eggs, cheese, butter, chicken, beef, ice cream and yoghurt in the average fridge is all produced using corn and the price of every one of these is influenced by the price of corn.»
Outra razão para este aumento dos preços é o aumento da procura por parte de países em franco desenvolvimento económico como a China, a Índia, a Rússia, etc. Factores de ordem cultural, como por exemplo, a adopção de dietas alimentares mais "ocidentalizadas", fruto da expansão da grande indústria alimentar para países como a China, terão também o seu peso.
Este aumento de preços dos produtos agrícolas, ao contrário do que possa parecer, pode trazer benefícios para os países mais pobres, embora estas consequências não sejam automáticas e exijam alguma cautela nas análises, dada a complexidade e variedade das situações.
De modo que aqui as opiniões divergem. Por exemplo, Jean Ziegler, relator especial das Nações Unidas para o direito à alimentação teceu fortes críticas aos governos europeus e americano pela sua aposta nos biocombustíveis, acusando-os de condenar à fome centenas de milhares de pessoas.
Frei Betto, frade dominicano brasileiro, fala em necrocombustíveis, necro (que significa morte) por oposição a bio.
Lester Brown, do Earth Policy Institute, afirmou perante o Congresso Americano que o cenário estava montado para uma competição directa entre os 800 milhões de pessoas que têm automóvel e os 2 mil milhões dos mais pobres do mundo.

"The stage is now set for direct competition for grain between the 800 million people who own automobiles, and the world’s 2 billion poorest people."

«Anger boiled over this week as Jean Ziegler, the UN special rapporteur on the right to food, accused the US and EU of "total hypocrisy" for promoting ethanol production in order to reduce their dependence on imported oil. He said producing ethanol instead of food would condemn hundreds of thousands of people to death from hunger.»

No entanto, os enormes excedentes agrícolas, gerados pela Política Agrícola Comum europeia e pelos apoios governamentais aos agricultores norte-americanos, foram lançados nos mercados internacionais durante décadas a preços muito reduzidos provocando a ruína dos agricultores de inúmeros países cuja principal fonte de rendimento era a agricultura.

Preços mais elevados poderão contribuir para refazer muitas dessas economias. É uma das conclusões do estudo do WorldWatch Institute, intitulado Biofuels for Transport: Global Potential and Implications for Energy and Agriculture.

Acresce a tudo isto os desafios sobre a produção alimentar que as Alterações Climáticas virão trazer. Segundo a FAO, é provável o aumento do risco de fomes.

As mais recentes tendências da produção alimentar global também lançam alguns alertas, embora alguns não prevejam problemas de maior num horizonte mais ou menos alargado: World food trends and prospects to 2025.

Claro que numa perspectiva tecnocrática bem intencionada tudo poderia correr pelo melhor se a vontade política fosse esclarecida, se a cooperação internacional funcionasse na perfeição, se a corrupção e a ganância não existissem e se a informação/formação dos consumidores fosse perfeita em todos os cantos do mundo. São muitos ses!
Será nesta perspectiva mais ou menos tecnocrática, creio eu, que se poderá incluir este relatório da FAO, "Environment and agriculture".
Nele se analisa a urgência de conciliar as necessidades crescentes por alimentos da Humanidade (que se projecta venha a crescer 50% até 2050) com a preservação da biodiversidade e ainda com a pressão exercida sobre estes dois objectivos resultante da procura crescente por biocombustíveis. Segundo a própria FAO, são "trade-offs"/equilíbrios muito difíceis. De modo que talvez fosse mais sensato admitirmos que algo tem de mudar no "business-as-usual".

=================================================
====================================================

CÚPULA DA FOME

nada propõe contra "situação dramática"

Reunião com 40 líderes mundiais em Roma termina com resolução aguada

Biocombustíveis não são condenados, mas posição de Lula de que produto pode alavancar países pobres também não é acolhida

CLÓVIS ROSSI
ENVIADO ESPECIAL A ROMA – Folha de São Paulo, 06ju2008

Jacques Diouf, o diretor-geral da FAO, braço da ONU para Alimentação e Agricultura, havia dito, ao inaugurar na terça-feira a Cúpula sobre Segurança Alimentar, que havia passado o tempo das palavras e era hora da ação.
Dois dias depois, a cúpula termina sem ação alguma e quase sem palavras, porque o comunicado final foi sucessivamente adiado, para sair só no início da noite romana, em termos tão aguados que o chanceler italiano, Franco Frattini, reconheceu que o texto "é decepcionante". Emendou Frattini: "Se os líderes mundiais não conseguem pôr-se de acordo ao menos para evitar os danos de uma situação dramática de emergência alimentar, isso me preocupa".
A emergência já havia sido quantificada por Diouf no discurso inaugural, ao lembrar que há 832 milhões de pessoas passando fome. Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, ampliou a dimensão da emergência ao dizer que a disparada dos preços da alimentação colocava 2 bilhões de pessoas em "perigo imediato". Muitos países já enfrentam protestos populares por causa da alta dos alimentos.
Três dias de debates e de discursos, com a participação de cerca de 40 governantes, nada produziram, a não ser anúncios de verbas de emergência até agora no valor de US$ 3 bilhões, quando Diouf havia dito que seriam necessários US$ 30 bilhões por ano para criar uma situação de segurança alimentar.
O pior é que os delegados se envolveram em discussões absolutamente bizantinas, em torno de um documento que já nasceu aguado por causa das divergências de todos os tipos. Das divergências, passou-se à fofocas sem sentido, que retardaram a divulgação do texto por mais de quatro horas.
Uma das fofocas envolveu o Brasil. Delegados europeus disseram aos jornalistas que o Brasil vetava trecho da declaração que considerava crítico aos biocombustíveis, a principal bandeira internacional do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Qual era a suposta crítica? Dizer que "é essencial enfrentar os desafios e oportunidades colocados pelos biocombustíveis em vista das necessidades mundiais de energia, segurança alimentar e ambiental". Ao falar em "segurança alimentar", o trecho insinuaria que os biocombustíveis são deletérios para ela, no pressuposto de que os plantios para obtê-los invadiriam áreas destinados à culturas para a alimentação.
A acusação é falsa pela simples e boa razão de que nenhum governo pode se dizer contra a segurança alimentar e ambiental e recusar-se a assinar um documento que as defenda.
No caso do Brasil, Lula, em seu discurso na cúpula, deu todas as informações necessárias para demonstrar que o etanol da cana-de-açúcar não interfere no plantio de alimentos -e tampouco na devastação ambiental da Amazônia.
O texto final da cúpula, tal como a Folha já havia adiantado desde o princípio dela, não toma partido sobre biocombustíveis. Joga qualquer definição mais concreta para "estudos em profundidade" e um "diálogo internacional".
Uma segunda polêmica era igualmente sem sentido. O rascunho pedia aos países-membros que se abstivessem de medidas unilaterais e contrárias às leis internacionais.
Os EUA, pela versão que chegou aos jornalistas, entenderam que se tratava de condenar o bloqueio à Cuba, que já dura mais de meio século. De novo, nenhum país pode defender medidas contrárias às leis internacionais, mesmo quando eventualmente as apliquem.
Tudo somado, ficou de concreto o óbvio: um pedido para "ação coordenada e urgente para combater os impactos negativos dos crescentes preços de alimentos sobre os países e populações mais vulneráveis" e a cobrança de mais investimentos na agricultura, além da ajuda imediata para os famintos.
Muito menos do que prometia o longo título do encontro: "Conferência de Alto Nível sobre Segurança Alimentar Mundial – os Desafios da Mudança Climática e da Bioenergia".

<><><><><><>

Roma frustra "revolução" de Lula

DO ENVIADO ESPECIAL A ROMA – Folha de São Paulo, 06jun2008

Para quem, como o presidente Lula, vê nos biocombustíveis o elemento-chave para uma "revolução" não só na matriz energética mundial mas também no desenvolvimento dos países mais pobres (África, Caribe e América Central), a cúpula de Roma só pode ser uma tremenda frustração.
O encontro não produziu nada que ajudasse a empurrar seu projeto. Não condenou o etanol, é verdade, mas só mesmo desinformação e/ou má-fé poderiam estimular especulações nesse sentido. Com os EUA, a maior potência do planeta, e o Brasil, um dos grandes emergentes, produzindo 80% do etanol mundial, não passa pela cabeça de ninguém sério que o biocombustível possa ser condenado num foro global.
Até o foi, mas na cúpula paralela, das Organizações Não-Governamentais, cada vez menos ouvidas nas discussões globais. A anódina declaração de Roma não impedirá o Brasil de produzir etanol, mas embaça o projeto de transformá-lo em "instrumento importante para gerar renda e retirar países da insegurança alimentar e energética", como disse Lula no seu apaixonado discurso em Roma.
Disse ainda que "cerca de cem países têm vocação natural para produzir biocombustíveis de forma sustentável". Para que transformem essa vocação em fatos, precisariam de uma combinação de tecnologia e recursos financeiros. Tecnologia, o Brasil tem e é considerada a melhor do mundo. Já recursos financeiros dependem dos países ricos. E é óbvio que eles não porão dinheiro em um instrumento que não consegue um selo internacional de qualidade definitivo, seja por contrariar os interesses de quem tem "os dedos sujos de óleo e carvão", como acusou Lula, seja por outros interesses comerciais.
A batalha de Lula vai agora ao Japão. Na reunião de Hokkaido, em julho, o G8 (oito países mais industrializados) e grandes emergentes como o Brasil discutirão de novo os temas que, em Roma, não conseguiram sair do estágio de "papers" preparatórios. A comunidade internacional no seu conjunto, representada na FAO, ficou paralisada. Resta ver se o "diretório do mundo", como chegou a ser chamado o G8, consegue decidir. (CR)

=============================================
===============================================
06/06/2008
Cúpula da FAO em Roma: conferência termina com pedido de "ação urgente"
Andrew Martin
Em Roma

Uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) de três dias sobre a disparada dos custos dos alimentos terminou na quinta-feira
(05/06) com os delegados pedindo a países e instituições financeiras que garantam suprimentos adequados de comida no futuro.
A declaração final, concluída na quinta-feira, pede "ação urgente e coordenada" para fazer frente ao aumento da produção alimentar, aos problemas associados à alta dos preços alimentos, à redução das barreiras tarifárias e ao incremento da pesquisa no setor agrícola.
A declaração procurou evitar a questão dos biocombustíveis, que emergiu como o assunto mais contencioso da conferência.

CÚPULA DA FAO EM ROMA

Crianças aguardam para receber um prato de comida em mercado de Manágua, na Nicarágua
PEDIDO DE ‘AÇÃO URGENTE’

COMÉRCIO GLOBAL E CRISE

MERCADO E PATERNALISMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: IMPASSE

LULA DEFENDE ETANOL

FAO COMENTA IDÉIA DE LULA

OBESOS E FAMINTOS

Alguns países em desenvolvimento solicitaram que as culturas originalmente destinadas à alimentação não sejam utilizadas para a produção de combustíveis, mas a declaração limitou-se a apelar para que se realizem mais pesquisas sobre o assunto.

O documento também não mencionou a biotecnologia, apesar dos argumentos das autoridades dos Estados Unidos de que as culturas geneticamente modificadas são cruciais para aumentar as safras em todo o mundo. Em vez disso, a declaração sugeriu um maior investimento em "ciência e tecnologia para alimentos e agricultura".

A aprovação do documento foi adiada devido a objeções de alguns países latino-americanos, incluindo Argentina e Cuba. Esses países argumentaram que a declaração não criticou as nações ricas pela adoção de políticas que eles acreditam ter contribuído para a crise dos alimentos, como os subsídios agrícolas e o incentivo aos biocombustíveis.

Outros delegados mostraram-se céticos quanto à possibilidade de que qualquer fato significativo emergisse dos três dias de conferência e de discursos contínuos, incluindo aqueles proferidos pelo presidente da França, Nicolas Sarkozy, e pelo primeiro-ministro de Saint Kitts and Nevis, Denzil L. Douglas.

"Tais reuniões internacionais costumam terminar com declarações e compromissos grandiosos, que, infelizmente, não são cumpridos e nem entram em fase de implementação", diz Mary Chinery-Hesse, assessora do presidente de Gana, John Agyekum Kufuor. "A crise de alimentos enfrentada hoje pelo mundo é tão séria que, caso as conclusões deste encontro sejam também relegadas ao esquecimento, as conseqüências serão desastrosas para a humanidade".

Mesmo assim, Lennart Bage, presidente do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, instituição que faz parte da ONU, afirma que a conferência foi um sucesso, até porque ela focalizou a atenção mundial nas necessidades da agricultura. "Creio que existe um ímpeto único, que não se via há 25 anos", diz ele. "Quando foi que vimos chefes de Estado reunindo-se para falar sobre sementes e fertilizantes?"
Jacques Diouf, anfitrião da conferência e secretário geral da Organização para Agricultura e Alimentação da ONU (FAO), afirma que os resultados da conferência excederam as expectativas, ainda que algumas das questões mais espinhosas não tenham sido resolvidas. "Nós abordamos corretamente o problema da fome no mundo", diz ele. "Somente juntos podemos enfrentá-lo".
A conferência tinha sido originalmente agendada para a discussão do aquecimento global e dos biocombustíveis. Mas o foco voltou-se para os custos dos alimentos, que atingiram o seu maior valor real em três décadas, o que provocou rebeliões populares e fome em alguns dos países mais pobres do mundo.
Desde o início, os organizadores da conferência pediram aos países afluentes, em linguagem incomumente áspera, que fornecessem dinheiro para ajudar as populações pobres do mundo e que fortalecessem as pesquisas agrícolas. Os organizadores do evento também solicitaram aos governos das nações ricas que reformulassem ou descartassem políticas que, segundo eles, contribuíram para o problema, como os incentivos aos biocombustíveis, as restrições às exportações e os subsídios aos fazendeiros ricos.
Os Estados Unidos foram um alvo freqüente de críticas, e o secretário norte-americano da Agricultura, Ed Schafer, teve que ouvir muitas palavras duras. Muitas dessas críticas disseram respeito aos biocombustíveis, que, segundo Schafer, desempenham um papel menor na questão do aumento dos preços dos alimentos.
As autoridades da ONU calculam que a resolução do problema mundial dos alimentos custará entre US$ 15 bilhões e US$ 30 bilhões anualmente.
No final da quinta-feira, as promessas financeiras totalizavam vários bilhões de dólares, distribuídos por vários anos, mas não houve nenhuma grande concessão política por parte dos participantes da conferência.
Vários grupos que representam os pequenos agricultores reclamaram de que não tiveram muita chance de participar, ainda que os chefes de Estado tivessem discutido programas para ajudá-los.
"Estas crises graves e urgentes dos alimentos e do clima estão sendo usadas pelas elites políticas e econômicas como oportunidades para consolidar o controle corporativo sobre a agricultura e o patrimônio ecológico mundiais", acusou em uma declaração a organização La Via Campesina, formada por agricultores, povos indígenas e fazendeiros.
Donald Kaberuka, presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, afirma que a crise mundial de alimentos ameaça os pobres da África, mas ao mesmo tempo constitui-se em uma oportunidade para reverter o rumo da agricultura no continente, onde a produção agrícola encontra-se estagnada há décadas.
"O desafio agora será a implementação das soluções", afirma Kaberuka.

Tradução:

=============================================
=================================================
The Global Crisis: Food, Water and Fuel. Three Fundamental Necessities of Life in Jeopardy
By Michel Chossudovsky
Global Research, June 5, 2008
The sugar coated bullets of the "free market" are killing our children. The act to kill is unpremeditated. It is instrumented in a detached fashion through computer program trading on the New York and Chicago mercantile exchanges, where the global prices of rice, wheat and corn are decided upon.
We are at the crossroads of the most serious economic and social crisis in modern history. The process of global impoverishment unleashed at the outset of the 1980s debt crisis has reached a major turning point, leading to the simultaneous outbreak of famines in all major regions of the developing World.

There are many complex features underlying the global economic crisis pertaining to financial markets, the decline in production, the collapse of State institutions and the rapid development of a profit-driven war economy. What is rarely mentioned in this analysis, is how this global economic restructuring forcibly impinges on three fundamental necessities of life: food, water and fuel. 

The provision of food, water and fuel is a precondition of civilized society: they are necessary factors for the survival of the human species. In recent years, the prices of these three variables has increased dramatically at the global level, with devastating economic and social consequences. 

These three essential goods or commodities, which in a real sense determine the reproduction of economic and social life on planet earth, are under the control of a small number of global corporations and financial institutions.

=======================================
======================================
05/06/2008
Cúpula da FAO em Roma: comércio gela o encontro
Para ONGs, solução do problema da fome é priorizar alimentação, mais que os negócios

Miguel Mora
Em Roma

Os países ricos, principalmente Europa e EUA, dedicaram US$ 125 bilhões no ano de 2006 para subsidiar seus agricultores, lembrou na quarta-feira a organização Oxfam na cúpula da FAO que termina nesta quinta-feira (5) em Roma. Em troca, a ajuda internacional para a agricultura não passa de US$ 4 bilhões anuais.

Os subsídios estatais do primeiro mundo impedem os países mais pobres de desenvolver seus mercados agrícolas, exportar, competir em igualdade de condições. O que, por sua vez, os impede de crescer, aumentar a produção, investir em novas infra-estruturas. A agricultura se transformou em um comércio disfarçado, e esse comércio estrangulou cada vez mais pessoas no planeta. A Suécia lembrou na quarta-feira que só se os subsídios agrícolas forem eliminados ou reduzidos, e se abrir "de maneira generosa" o acesso de todos aos mercados, os países em desenvolvimento poderão ampliar sua produção para evitar a fome de suas populações. Para tanto, como lembrou o ministro sueco, é preciso completar a famosa Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

CÚPULA DA FAO EM ROMA

Crianças aguardam para receber um prato de comida em mercado de Manágua, na Nicarágua
COMÉRCIO GLOBAL E CRISE

MERCADO E PATERNALISMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: IMPASSE

LULA DEFENDE ETANOL

FAO COMENTA IDÉIA DE LULA

OBESOS E FAMINTOS

Mas ninguém tem grande esperança em que os países protecionistas dêem o braço a torcer. A Oxfam acredita que um acordo global de livre comércio por si só não ajudaria a resolver a crise, porque se forem aprovadas as propostas já ouvidas na OMC "os países pobres ficariam expostos à volatilidade do mercado". Outros pensam que, por não ter a possibilidade de desbloquear uma situação que está bloqueada há anos, a cúpula de Roma está destinada a ficar mais uma vez na retórica e nas boas intenções. Aparecem alguns sinais positivos, como a iniciativa lançada na quarta-feira por Kofi Annan para a Revolução Verde na África, que busca aumentar a produção e a produtividade no continente, mas a divisão na hora de propor soluções é a norma.

Países sensatos como a Noruega indicam que não haverá nada a fazer se os agricultores africanos não conseguirem colocar seus produtos em um "mercado funcional". Mas esse mercado mundial, segundo as ONGs mais militantes, é uma ilusão. Ninguém sabe para que serve realmente, exceto para manter a ordem econômica, enriquecer um punhado de corporações e aumentar o número de pessoas que passam fome. Especulação, nacionalismo, subsídios, tarifas alfandegárias, distorção de preços e barreiras à exportação -são palavras que foram muito escutadas em Roma nestes dias. Mas ninguém tem uma resposta clara.

Henar Senovilla, que coordena a campanha "Direito à Alimentação. Urgente", lembra que "três em cada quatro pessoas que passam fome são pequenos agricultores, camponeses sem-terra, pescadores artesanais ou pastores, pessoas que vivem no e do meio rural". E conclui que a única solução para a fome é "a volta a uma agricultura sustentável social, econômica, política e ambientalmente, destinada à alimentação e não ao comércio".

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

========================================
========================================
05/06/2008
Cúpula da FAO em Roma: "não podemos matar a fome com mercados fechados e paternalismo"

Miguel Mora
Em Roma

O Programa Mundial de Alimentos é a agência da ONU que se encarrega de distribuir comida e apoiar o desenvolvimento dos países em perigo. A americana Josette Sheeran está há um ano à frente do organismo, e nesse período viu o copo de plástico que leva no bolso reduzir sua capacidade quase pela metade: "Há um ano, encher este copo de arroz custava 40% menos que hoje. Vivemos uma crise devastadora", explica Sheeran. Leia abaixo a entrevista.

El País – Qual é seu diagnóstico deste primeiro ano?
Josette Sheeran –
Vivemos uma tormenta perfeita que devastou a população mais pobre. Eu estive em Mianmar, Darfur, Haiti, e me sinto como um soldado que volta da guerra. Devemos buscar soluções de longo prazo para que esta tragédia não se repita, e enquanto isso, estar com eles. Não há nada mais dramático do que ver uma mãe que não pode alimentar seu filho. A cada 6 segundos uma criança morre de fome. Temos de parar com isso. Não há mais desculpas.

CÚPULA DA FAO EM ROMA

Crianças aguardam para receber um prato de comida em mercado de Manágua, na Nicarágua
COMÉRCIO GLOBAL E CRISE

MERCADO E PATERNALISMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: IMPASSE

LULA DEFENDE ETANOL

FAO COMENTA IDÉIA DE LULA

OBESOS E FAMINTOS
EP – O que nos impede?
Sheeran –
Muitos fatores ao mesmo tempo. Por isso eu a chamo de tormenta perfeita. A fome existe desde sempre, mas hoje é a primeira vez que temos as ferramentas, a tecnologia, o dinheiro e o poder para acabar com ela. Os governos, os cidadãos, os cientistas e as ONGs devemos trabalhar juntos para isso.

EP – Algumas vozes dizem que se o protecionismo não acabar a fome também não acabará.
Sheeran –
Muitos mercados são locais e muito pequenos. Em países como Uganda ou Chade, se o resto do mundo desaparecesse continuaria havendo fome. Nada entra e nada sai. Em Darfur vivem dez vezes mais pessoas do que o solo pode suportar, e essa é uma das razões do conflito. Não produzem o suficiente para exportar. Quando há gente nessas condições, o mercado global pouco importa.

EP – E a senhora não acredita então que os subsídios do primeiro mundo sejam um problema?
Sheeran –
Ajudaria se desaparecessem com os outros fatores. Não se pode matar a fome com mercados fechados e distorcidos pelas ajudas. É preciso que os agricultores pobres que não têm apoio de seus governos os recebam.

EP – A culpa da fome é dos países ricos?
Sheeran –
Não. Cada país é responsável por seu destino. Nenhum país deve depender do outro. Ninguém gosta de depender, todos querem ser auto-suficientes. Minha família foi embora da Irlanda fugindo da fome, e hoje a Irlanda é um país muito rico que exporta alimentos. Esse é um sonho ao qual os países africanos têm direito. Não querem ajuda, mas condições para fazê-lo sozinhos: terras, créditos, tecnologia, infra-estrutura para exportar. Há exemplos inspiradores: Gana, Chile, Vietnã. São tigres da agricultura.

EP – Mas muitos países não reúnem as condições.
Sheeran –
É questão de liderança, de investir em agricultura. Em alguns países com seca é impossível, e o mundo deve ajudá-los; o resto, devem fazer sós. E querem fazer sós.

EP – Mas o Ocidente prefere o paternalismo.
Sheeran –
Acabou a era do paternalismo. Etiópia, Tanzânia, Moçambique, Malaui, todos disseram em Roma que não querem ajudas, mas decidir seu destino: um mercado seguro, programas de investimento, a possibilidade de exportar, cooperação regional. A Espanha é um exemplo disso. Estruturou sua ajuda segundo os Objetivos do Milênio e contribuiu para dar o alarme da crise atual. Somos muito agradecidos a eles.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

 
===========================================
============================================

05/06/2008 – 12h58

Impasses e acusações adiam texto final da FAO

Impasses em relação aos biocombustíveis e outros pontos polêmicos, como os subsídios agrícolas, levaram a um adiamento da declaração final da conferência da FAO (o órgão de alimentação e agricultura da ONU) em Roma, que está prevista para esta quinta-feira.
Um dos problemas seria como o documento vai tratar a produção mundial do etanol. Segundo um diplomata europeu ouvido pela BBC, o Brasil e outros países latino-americanos estariam se negando a assinar o documento enquanto ele apresentar de forma negativa os biocombustíveis.
"Todo o grupo latino-americano está fazendo isso ficar muito complicado", afirmou essa fonte. "O Brasil talvez esteja por trás de tudo. Eles estão tão preocupados com a possibilidade de que os biocombustíveis sejam transformados em um demônio que, em vez de ter um documento que seja ambíguo em relação aos biocombustíveis, preferem que nenhum acordo seja alcançado."
Os representantes brasileiros, no entanto, negam que estejam atrapalhando o processo e garantem que já existe um acordo sobre o tratamento que será dado à produção do etanol.

Cuba
Segundo Manuel Vicente Fernandes Bertone, secretário de Produção e Agroenergia, que faz parte da delegação brasileira, o país não está impedindo um acordo "de forma nenhuma".
Ele diz que os "problemas do documento até agora não são biocombustiveis, há consenso com respeito aos biocombustíveis."
Na quarta-feira, o embaixador do Brasil na FAO, José Antônio Marcondes de Carvalho, havia dito que um acordo já tinha sido conseguido para amenizar as críticas ao etanol. A fonte diplomática que falou com a BBC, no entanto, negou que o acordo já tivesse sido acertado.
Nos bastidores do encontro, tem circulado versões de que outros temas também estariam criando problemas. Cuba estaria pedindo uma condenação ao embargo americano, o que não seria aceito pelos Estados Unidos.
O governo argentino também teria se posicionado contra tentativas de criticar tarifas no setor de alimentos.
A expectativa era que o documento fosse anunciado às 15h, hora de Roma (10h em Brasília), mas o anunciou foi adiado em pelo menos quatro horas e a coletiva de imprensa deve ocorrer apenas no começo da noite na capital italiana.

===========================================
=========================================
05/06/2008 – 08h24

Representantes da sociedade civil consideram cúpula da FAO um fracasso

Roma, 5 jun (EFE).- Mais de duzentas ONGs e associações da sociedade civil consideraram hoje um fracasso a cúpula da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) sobre segurança alimentar, em Roma, já que mantém "as mesmas políticas" que levaram à atual crise alimentícia.
Para esses representantes, a declaração final, que ainda está sendo negociada, manterá um sistema alimentício mundial que "favorece a especulação" e "beneficia só às grandes corporações".

O porta-voz da organização Fian International, o brasileiro Flávio Valente, disse que a crise "é o resultado de décadas de políticas doentes" do Banco Mundial (BM) e do Fundo Monetário Internacional (FMI).
"As soluções propostas no documento final da cúpula são as mesmas que nos trouxeram aqui", disse Valente, que acrescentou que "não há uma só promessa para acabar com a fome que já não tenha sido feita no passado".
Também denunciou que, na declaração final, não será feito nenhum comentário sobre a "especulação".
Valente disse que, no documento final da cúpula, inclusive, os Governos reconhecem sua "incapacidade" para resolver a crise quando "encomendam ao FMI, ao BM e a um grupo de trabalho da ONU que façam isso por eles".
A iraniana Maryam Rahmanian, da organização Cenesta, disse que essa declaração e esta cúpula "não vão encher nenhum prato de comida", e afirmou que "as recomendações que faz para continuar liberalizando o comércio levarão a uma maior violação do direito à alimentação".
Essa receita liberalizadora, "promovida no passado pelo Banco Mundial (BM) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), é a mesma que levou à atual crise alimentícia", disse Rahmanian.
"É preciso acabar com a especulação financeira e com o mercado de futuros dos alimentos, que joga roleta com nossas vidas", acrescentou a ativista iraniana.
Para Herman Kumara, porta-voz do Movimento Nacional de Solidariedade aos Pescadores (Nafso, em inglês), do Sri Lanka, a cúpula só foi "positiva" para o grupo reduzido das "grandes corporações", já que reforçou seu domínio sobre os alimentos em todo o planeta.
Todas as organizações recomendaram a criação de uma comissão das Nações Unidas encarregada de zelar pelo direito à alimentação e a soberania alimentícia dos povos.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: